segunda-feira, 4 de abril de 2011

ENQUANTO HOUVER POVOS ASSIM, O MUNDO NÃO ESTÁ PERDIDO.

Com a devida vénia, transcrevo sem alterar nada, este e-mail que recebi hoje. Só coloco uma questão:
- E se fosse cá em Portugal?
Coitado do pobre povo português!

Enquanto o Japão conta os mortos (quase 17 mil, segundo as últimas estimativas 
oficiais) e eleva de quatro para cinco o nível de alertanuclear, já a dois níveis do que se atingiu em Chernobyl, um jornalista da CNN, Jack Cafferty, não esconde a surpresa e faz uma pergunta:
 «Tendo em conta a escassez de comida e a incrível destruição, incluindo em Tóquio, por que razão não estão a ocorrer episódios de pilhagens e vandalismo no Japão?»
Cafferty estabelece um paralelo com o que sucedeu no seu próprio país depois da passagem devastadora do furacão Katrina e cita um colega, Ed West, do Telegraph.

West escreveu uma crónica na qual se confessava «estupefacto» pela reacção ordeira do povo japonês ao terramoto e ao tsunami, e do sentimento de solidariedade que encontrou um pouco por todo o lado.
«As cadeias de supermercado baixaram drasticamente os preços dos produtos assim que ficou clara a dimensão da catástrofe», conta Ed West. «Vendedores de bebidas começaram a distribui-las gratuitamente, com a justificação de que todos trabalhavam para assegurar a sobrevivência de todos».

Cafferty adianta uma explicação: os japoneses possuem um código moral tão elevado que se mantém intacto mesmo nas horas mais sombrias, mesmo quando só existe destruição em redor.
Esta atitude não é por caridade. É SOLIDARIEDADE

1 comentário:

  1. Pois! Mas eles são orientais. E são muito educados. É a diferença.

    ResponderEliminar